GUIA DEFINITIVO: Tudo sobre a bateria automotiva

Entenda e descubra tudo sobre a bateria do seu veículo com quem entende do assunto.

Quando o assunto é a bateria automotiva, é muito comum as pessoas não entenderem a real importância dela e o porque ela é um item básico para o funcionamento, afinal, como ela funciona? Ou, como agir nas situações adversas que podem ocorrer por conta do mau uso? E foi pensando nisso, que fizemos o guia definitivo e simples da bateria automotiva, com todas as informações úteis sobre esse item para você não ficar mais na dúvida sobre o assunto. Vamos lá?

PARA QUE SERVE?

A bateria automotiva é nada mais que um acumulador de energia. Sua função é ter reserva disponível para ser entregue ao veículo sempre que ele precisar, ou seja, nos acionamentos do motor de partida (quando ligamos o carro) e para o funcionamento dos itens eletrônicos (som, luzes internas, faróis, ar e até travas)

Mas, agora pode estar se questionando: como que a energia não acaba? E a resposta é bem simples.

O sistema elétrico do veículo possui um alternador que recarrega a bateria quando o motor está ligado, dessa maneira, aquela energia sempre estará disponível, desde que você saiba como usá-la de modo correto. E é isso que vamos te ensinar.

COMO USAR?

Agora que você já entendeu a função e como ela se mantém, é bom conhecer os componentes que existem dentro da bateria instalada no veículo.

CAIXA: a carcaça que envolve todos os componentes, hoje é feita de polipropileno ou policarbonato, apresenta grande resistência a vazamentos, mantendo bem isolada toda estrutura responsável por acumular a energia. Antigamente, ela possuía uma tampa para que fosse feita a manutenção – quando tinha que colocar água desmineralizada (também conhecida como “água de bateria”) -, mas a grande maioria das baterias disponíveis no mercado são totalmente seladas, não demandando mais desse tipo de trabalho.

POLOS: os terminais que ligam a bateria ao sistema elétrico do veículo. Normalmente protegidas por tampas, os pólos são o caminho onde passa a energia que vai para o carro quando a bateria é acionada. Toda bateria tem um polo positivo (+) e outro negativo (-), que devem ser ligados corretamente para que a bateria funcione e para que a instalação esteja sempre correta, é só se atentar aos símbolos que ficam na base dos pólos. 

Caso não encontre esses símbolos, verifique se há cores:

VERMELHO: indica o polo positivo (+);

PRETO: indica o polo negativo (-).

A mesma identificação das cores, servem para os fios que devem ser conectados corretamente aos polos.

ELEMENTO ACUMULADOR: é o que garante à bateria a função de armazenamento. Dentro da caixa, existem placas de chumbo dispostas de forma alternada, entre positiva e negativa, que são mergulhadas em uma solução eletrolítica que reage com as placas, gerando uma corrente elétrica.

Uma bateria automotiva deve conter seis elementos, que quando ligados entre si, desempenham uma tensão de 12 volts. Esses elementos também contam com separadores, uma estrutura feita de plástico ou papel que são colocadas entre as placas para evitar que o contato gere um curto-circuito.

Esta é a estrutura-padrão de uma bateria automotiva nos dias de hoje. Em torno desta tecnologia, são desenvolvidos os mais variados modelos, cada um com as características específicas, sempre voltadas para determinado tipo de veículo, porém todos com a mesma lógica no funcionamento e uso.

CUIDADOS IMPORTANTES

Uma bateria automotiva é um item que ninguém dá atenção até a hora que ocorre um problema, mas é muito mais fácil e surge usá-la corretamente, evitando que situações inesperadas aconteçam. Para isso, basta seguir algumas boa práticas, simples de uso que certamente aumentará a vida útil da sua bateria:

Carro desligado, itens eletrônicos também!

Você já deve ter ligado o som com o carro parado, ou até mesmo esquecido aquele farol ligado quando estacionou em algum lugar. De fato, esses itens funcionam com o motor desligado, porém, isso não significa que devem ser usados desta forma.

Quando você precisa da energia da bateria com o motor desligado, ele consumirá a reserva armazenada e não estará fazendo o processo de recarga, uma vez que o alternador só está funcionando quando o motor está funcionando. Por isso, se não quiser ficar na mão quando virar a chave na ignição, evite usar itens que exigem energia da bateria quando o motor estiver desligado. 

Cuidado com carro parado por muito tempo!

Esse é um cuidado para os motoristas de passeio, aqueles que pegam o carro de vez em quando. Fiquem atentos, pois vocês podem acabar se surpreendendo ao não conseguir ligar o motor do carro, após um longo período com ele parado.

Isso acontece porque, mesmo parado, o carro continua consumindo pequenas quantidades de energia. Logo, se você deixar o motor desligado por muito tempo, o alternador não vai recarregar a bateria e a energia pode ser consumida por completo, podendo nem mesmo acionar o motor de partida quando você precisar.

O indicado é ligar o carro pelo menos uma vez por semana, mantendo o motor em funcionamento por no mínimo: 10 minutos – esse período já é suficiente para fazer o alternador recarregar a bateria e mantê-la pronta para funcionar por mais tempo.

Desligue os itens elétricos antes de desligar o motor!

Na pressa de chegar logo, é muito comum simplesmente para o carro, desligar o motor e sair. Isso pode parecer normal, mas pode diminuir a vida útil da bateria.

O fato aqui, é que se você desligar o motor sem desligar os itens eletrônicos, os itens entram em standby, e ficam no aguardo do acionamento do motor. Esta prática pode causar sobrecarga na bateria, uma vez que ela terá, ao mesmo tempo, que oferecer energia para acionar o motor de partida e ligar todos os itens de uma só vez.

Por isso, lembre-se: ao parar o carro, desligue tudo antes de desligar o motor, a sua bateria agradece!

MANUTENÇÃO

No início do guia, já informamos que as baterias seladas não precisam mais de adição periódica de água desmineralizada como manutenção. Essa tecnologia trouxe muita praticidade, mas não significa que podemos esquecê-la confiando que tá “tá tudo bem”, só pelo fato de estar funcionando.

Mesmo as baterias mais modernas, elas podem sofrer de acordo com as condições de uso e como são expostas, podendo apresentar oxidação devido à presença de cobre ou latão em sua composição. Esse tipo de reação é muito comum, mas, em alguns casos, a oxidação pode se agravar e gerar um resíduo esverdeado chamado “zinabre”, que se acumula nos terminais da bateria, prejudicando o funcionamento.

Esse grau de oxidação bastante problemático é até conhecido como “câncer de carro”, isso porque o zinabre vai se alastrando pelo sistema elétrico, podendo chegar às partes internas do veículo. 

Apesar de ser bastante perigosa, essa reação acontece lentamente e pode ser interrompida com processos muito simples de limpeza. Caso você encontre esse tipo de resíduo na sua bateria, siga estas instruções:

  1. Desligue o veículo e desconecte os terminais da bateria do sistema elétrico do carro. 
  2. Desparafuse e retire primeiro a braçadeira do polo negativo, depois faça o mesmo no polo positivo (é muito importante seguir essa ordem).
  3. Prepare uma solução com 1 colher de sopa de bicarbonato de sódio em 200 ml de água.
  4. Use escova ou pano para esfregar bem a solução na região afetada pelo zinabre. Seja cuidadoso para não deixar a solução cair em outras partes do motor. 
  5. Depois que todo o zinabre for removido, use pano úmido para enxaguar e pano seco para secar os terminais. 
  6. Para evitar futuras corrosões, é recomendado passar um pouco de graxa ou vaselina nos polos limpos.
  7. Conecte os terminais às respectivas braçadeiras na ordem inversa que foram desconectados, cubra-os com a proteção plástica e pronto!

Lembrando que esse procedimento é apenas usado em casos críticos de oxidação. Para evitar chegar a esse ponto, lembre-se sempre de dar uma olhadinha na sua bateria e, se preferir, leve o carro periodicamente a um eletricista para verificar se o sistema elétrico está em ordem. 

PRECISEI RECARREGAR, E AGORA?

Recarregar a bateria automotiva, não é nada incomum. Nessa hora, o desespero pode bater por nem sempre saber como agir e, muitas vezes, não tem o equipamento necessário para a situação.

Antes de qualquer coisa, é bom lembrar que recarregar a bateria automotiva não é recomendável, pois essa medida pode danificar o equipamento e só deve acontecer em casos de extrema necessidade. Mas, se você acabar numa situação dessas, é bom estar informado para realizar corretamente o procedimento de carregamento, ou como é popularmente conhecido, “chupeta”.

Para iniciar, é importante ter em mãos um bom cabo de transferência de carga. Caso não tenha, providencie um imediatamente e mantenha-o em seu carro para situações emergenciais. Em seguida, encontre uma fonte de energia que possa passar uma quantidade de carga para a sua bateria – normalmente, essa fonte é um outro veículo que esteja com a bateria em perfeito funcionamento.

Agora que você tem uma fonte de energia e um cabo para transferi-la, comece o procedimento da seguinte forma:

  1. Desligue completamente os dois carros. 
  2. Identifique os polos negativos e positivos de cada bateria para conectar o cabo de transferência corretamente.  
  3. Faça a conexão primeiramente dos cabos vermelhos nos polos positivos, começando pela bateria descarregada e, em seguida, para a carregada. 
  4. Conecte agora os cabos pretos nos polos negativos, começando também pela bateria descarregada para depois conectar a bateria carregada.
  5. Certifique-se de que os prendedores estão firmes em cada terminal e, só então, ligue o motor do carro carregado, acelerando-o por 10 minutos a uma rotação de, pelo menos, 1.500 rpm.
  6. Passando esse tempo, dê a partida no carro que estava descarregado e faça o motor funcionar por mais uns 20 minutos.

Caso o carro não ligue na primeira tentativa, repita o mesmo procedimento por, no máximo, 5 vezes. Se ainda assim você não conseguir fazer o carro ligar, não tente mais. Nesse caso, a única solução é a substituição da bateria.

QUAL BATERIA COMPRAR PARA O MEU VEÍCULO?

Tomar todos os cuidados com a bateria do seu carro, é a garantia de que você terá ela sempre funcionando, mas é certo que um dia a vida útil dela irá acabar e você terá que trocá-la. Nessa hora, é importante saber como escolher para não acabar comprando uma bateria incompatível com seu carro.

Mas, calma, essa escolha pode ser bem simples se você seguir estes dois passos.

Saiba a amperagem do seu veículo!

Cada bateria possui determinada amperagem, isto é, a capacidade de armazenamento medida por amperes/hora. Carros diferentes exigem quantidade de energia diferente, por isso, o primeiro passo na hora de comprar uma bateria automotiva é saber se ela tem a quantidade de energia que seu carro vai pedir, se não, é bem capaz que você fique na mão.

Para saber essa informação, é muito simples, o próprio manual do carro leva a indicação da amperagem da montadora. Essa informação está no próprio manual do carro. Amperagens um pouco maiores ou menores do que a indicada no manual também funcionam, mas é bom não arriscar, o fabricante fez muitos testes para chegar ao modelo de bateria ideal para aquele veículo, seguir a sua indicação é a decisão mais segura para acertar na escolha da sua bateria automotiva. 

Escolha por marcas confiáveis

O mercado de baterias automotivas é vasto, mas escolher uma bateria tradicional é sempre a melhor opção. A LIDER Baterias está no mercado há mais de 20 anos, com tecnologia e qualidade. Com a produção 100% própria e nacional, a LIDER atende todos os veículos com amperagens diversas.

DESCARTE DE UMA BATERIA AUTOMOTIVA

Por se tratar de um lixo químico, as baterias podem ser extremamente nocivas ao meio ambiente. A LIDER Baterias possui a obrigação de se responsabilizar pelo descarte correto, por isso, contamos com o processo de coleta de todas as baterias antigas e usadas nos pontos de revenda e unidades da LIDER.

Encontre uma unidade da LIDER Baterias mais próxima de você e encontre a sua bateria automotiva.